5 de julho de 2012

*Eu escolhi esperar*



Foi-se o tempo em que virgindade era motivo de orgulho dos jovens, que faziam questão de se preservar para um bom casamento. Isso soou muito Era Medieval? Pois saiba que, quatro séculos depois, muitos ainda têm o mesmo pensamento: relações sexuais somente após dizer “sim” no altar. Para dar suporte aos que optaram por esse caminho, nasceu à mobilização “Eu escolhi esperar”. “Não é uma mobilização moralista nem puritana, mas de valores”, disse o idealizador, Nelson Júnior, de Vila Velha (ES).
Em entrevista ao CADERNO GOSPEL, o pastor explicou que o movimento foi criado há cerca de 1 ano e divulgado em redes sociais on-line. Diferentemente do que algumas pessoas pensam, “não é um ativismo em busca de aprovação”. O foco, inclusive, não é apenas se abster de sexo, mas evitar outros pecados de imoralidade sexual, como lascívia, pornografia e masturbação. “Não pregamos castidade, mas a santidade. Quando você toma a decisão de se guardar emocionalmente e sexualmente está se separando. Isso é santidade”, explicou.

Casado há 13 com a primeira namorada, Ângela Cristina, ele tomou a decisão de esperar ainda no início da adolescência. Aos 15 anos, recebeu o chamado pastoral e, após terminar o ensino médio, ingressou no seminário, concluído cinco anos depois. “Eu não queria ser um objeto, como um carro à disposição para test drive”, afirmou. “Tomei a decisão de esperar o tempo certo e a pessoa certa para fazer da forma certa”, completou ele, que sempre trabalhou na liderança da mocidade da igreja.

Segundo Júnior, a experiência de resistir às tentações serviu para fortalecer o ministério dele e mostrar que é possível esperar. Entretanto, reconhece que as lutas internas e os hormônios são adversários complicados. “Meus colegas na época viviam iguais aos que não eram da igreja”, lembrou, ao ressaltar que se auto-proclamar cristão não significa nada, sem a decisão pessoal de se preservar. “A vida sexual dos jovens cristãos é muito mais ativa do que os pastores creem”, lamentou.

Ajuda da internet

No dia 20 de junho de 2011, a mobilização realizou uma Twitcam — transmissão de vídeo ao vivo pelo Twitter — do quadro chamado #PapoAberto, um programa via web, que fala exclusivamente sobre amor, sexo, namoro, noivado e relacionamentos. A transmissão começou por volta das 21h e logo a hashtag (tema) #EuEscolhiEsperar chegou ao topo dos trending topics brasileiro, que mostra os dez assuntos mais comentados no microblog. “Ecoou por todo o Brasil, para minha surpresa”, disse Nelson Júnior.
Ainda de acordo com ele, a internet é uma ferramenta para fortalecer aqueles que escolheram esperar em Deus, sem a intenção de levantar uma bandeira de puritanismo. “Não pregamos um conceito de momento. Trabalhamos com construção de futuras famílias saudáveis”, afirmou, ao ressaltar que a idéia repercute mais fora da igreja. “Numa sociedade tão perdida de valores, um ponto de luz se transforma em um farol”, enfatizou. “Também encorajamos aqueles que já tiveram experiências, mas que desejam recomeçar”, completou.

Base bíblica

A mobilização “Eu escolhi esperar” é baseada no texto de I Tessalonicenses 4:3 a 5:  “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição; Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; Não na paixão da carne, como os gentios, que não conhecem a Deus.” Para saber mais acesse: www.euescolhiesperar.com.

Nenhum comentário: