9 de setembro de 2008

*Som que rasga os céus*


Quando se fala em trombeta, a primeira imagem que vêm à mente dos cristãos é da queda das muralhas de Jericó, quando o povo de Israel deu sete voltas ao redor da cidade antes de tocar o instrumento, sob ordem de Deus. Feito de chifre de carneiro ou de yemenita (antílope) é chamado de shofar, do hebraico “shôphâr”. “É o primeiro instrumento registrado na Bíblia; feito somente dos chifres desses animais, porque são considerados puros/ separados”, disse o pastor do Ministério Internacional da Restauração (MIR), Gilmar Nascimento.

No Antigo Testamento, era usado para anunciar diferentes situações, como chamar o povo para o culto; convocar o exército para guerrear; anunciar a voz de Deus; ou proclamar que um rei ou pessoa importante estava entrando em determinado local. Para os judeus, a principal função dos sons do chifre é alertar sobre a chegada do dia do julgamento; “inspirar a alma e provocar vibrações extraordinárias no coração, ativando o sentimento do arrependimento e da humildade”.

Com diversas formas e tamanhos, o shofar atualmente é utilizado em algumas denominações evangélicas para os momentos de adoração e para lembrar do sacrifício de Jesus no Calvário. “Biblicamente também representa chamar o povo à adoração”, afirmou o ministro. Por outro lado, há muitos crentes que criticam ou rejeitam o uso do shofar dentro dos templos, com o pretexto de que é um objeto do judaísmo. “É um instrumento da cultura judaica, mas sem o judaísmo não existiria o cristianismo”, enfatizou Nascimento.

Segundo o criador do site ShofarProfético.Com, pastor Rafael Dias, apesar de ter sido muito utilizado pelos hebreus sob o comando do próprio Senhor, muitos cristãos ainda desconhecem o som do instrumento e a influência dele no Reino Espiritual. “Os mais tradicionais criticam, mas porque não conhecem”, disse. Para ele, o medo do desconhecido pode ser a principal causa da rejeição. “Apenas 30% da Igreja já viu um e, realmente, conhece o siginificado dele”, ressaltou o ministro de São Paulo.

O principal motivo da criação da página na Internet, além de divulgar o instrumento, é resgatar os princípios da adoração, baseado em Atos 15:16 e 17: “Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; levantá-lo-ei das suas ruínas, e tornarei a edificá-lo. Para que o restante dos homens busque ao Senhor, E todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado, Diz o Senhor, que faz todas estas coisas”. “É uma arma de adoração dentro da Igreja”, afirmou Dias.

*Sem supertições*

Tanto o pastor de Manaus, como o de São Paulo; alertam para o mesmo princípio: o shofar não é um objeto sagrado; somente mais um instrumento criado por Deus para adoração. “Recebo muitos e-mails de pessoas que querem saber sobre o uso, achando que é sagrado; mas não fazemos misticismo; é um instrumento como qualquer outro”, afirmou Gilmar Nascimento. “O ato de a pessoa tocar é profético, mas quando está guardado é apenas um chifre”, ressaltou Rafael Dias.

Para ambos, a falta de conhecimento pode gerar preconceitos como também criar uma idéia errada sobre o shofar na mente das pessoas. “Em algumas igrejas que vou ministrar as pessoas dizem “tira esse berrante daqui”, porque não sabem com o que é e ficam receosas”, disse o paulista. Já Nascimento faz questão de ressaltar que todos os instrumentos musicais podem ser proféticos. “Não é o uso do shofar; o importante é ser um canal de Deus para o que Ele está movendo na hora; com consagração e santidade”, enfatizou.

*Toques e Significados*

Tekiáh – longo / curto: Usado para festas e para adoração; também dá uma mensagem que relata o ensino bíblico da separação entre o homem e o Criador.

Shevarim – 3 toques Tekiáh: Usado para anunciar a entrada de um rei e para levar o povo ao arrependimento e à santidade; Também expressa a alegria interior em meio às aflições do mundo, com a certeza de que, finalmente, o reino dos céus será implantado em toda a Terra. Toda vez que o Shevarim é tocado é reafirmada a fé no retorno do Messias.

Teruah – 1 Tekiáh seguido de 9 Stacato (toques breves): Usado para a guerra e para chamar o povo ao arrependimento e à tristeza pelos pecados cometidos.

Tekiáh Gedolahl – 1 Tekiáh longo (O Grande Toque): Usado para anunciar o juízo de Deus e simbolizar também a alegria, pois o Senhor perdoou os pecados do povo e, por isso, o homem se tornou livre para adorá-lo.
*Saiba mais*
Para mais informações sobre o shofar clique aqui; ou entre em contato pelo e-mail do ministro paulista e de contato. Na página o usuário também pode adquirir um dos seis tipos disponíveis do instrumento.

Imagem: Shofar Profético