19 de outubro de 2008

*O cristão e a vaidade*


Roupas de griffe, cirurgia plástica, cosméticos anti-envelhecimento e escova definitiva. Estas são algumas das “armas” criadas pelo ser humano na tentativa de “melhorar” a beleza do corpo. Não é difícil encontrar alguém que não esteja satisfeito com o nariz ou que queira se livrar daquele sinal de nascença na bochecha. Toda pessoa, independentemente de sexo ou idade, sempre encontra um “defeitozinho” que gostaria de mudar em si mesmo. “Não tem problema nenhum em se cuidar, mas tudo tem limite”, disse a bailarina Ana Paula Santos, 22.

Ela usava somente blusinhas de dança, calça jeans e tênis; além de ser vista frequentemente com o cabelo arrumado em forma de coque para as aulas de balé. Há pouco mais de um ano mudou para um estilo mais adulto e não sai de casa sem uma maquiagem básica e sandália de salto alto. “Como sou pequena e magra, muitos achavam que eu tinha 16 anos”, lembrou. “Decidi começar a me arrumar, não para chamar atenção, mas para me sentir bem como mulher”, completou.

Essa preocupação em se sentir bonito é considerada normal, mas o desejo de atrair a atenção de outrem é definido em apenas uma palavra no Evangelho: vaidade. Geralmente, os verdadeiros vaidosos têm o costume de exaltar os pontos positivos e esconder os que não são agradáveis. No dicionário Aurélio, vaidade é descrita da seguinte forma: qualidade do que é vão; ilusório; instável ou pouco duradouro; desejo imoderado de atrair atenção ou homenagens; vanglória; presunção; coisa fútil ou insignificante.

Ligado diretamente à aparência física, o assunto é considerado polêmico dentro da Igreja. Algumas denominações seguem um controle rígido de usos e costumes; enquanto outras se focam justamente no público mais “descolado” para atrair novos convertidos. Mas até onde vai a vaidade entre os cristãos? “Ensino meus liderados a se vestirem bem; cuidarem do visual e, principalmente, do físico, pois somos a Noiva de Cristo”, afirmou o teólogo e pastor Edmilson Lopes, 51. “O Noivo quer uma Noiva bem cuidada”, enfatizou.

A idéia de que “crente não se arruma” diminiuiu entre os não cristãos, porém, muitos ao serem convidados para um culto ou evento evangélico, ainda pensam no esteriótipo da mulher de cabelo comprido e sai longa; e do homem com camisa engomada de manga comprida. “Quando senti o chamado de Deus tinha pavor de procurar uma igreja, porque observava aquelas mulheres com cabelos maltratados, pernas cabeludas e com as vestimentas fora dos padrões“, revelou a esteticista e empresária Vitória Fernandes, 50.

Dona de uma rede de salões de beleza em Manaus, ela achava o estilo das evangélicas totalmente radicais, com uma “seriedade exagerada”, que às vezes as tornava de aparência “agressiva”. “Eu me rendi a Ele com ou sem cabelo curto,” afirmou Vitória. Ela usou o exemplo da rainha Ester, que durante seis meses se preparou para encontrar-se com o rei, num processo de cuidados com a pele, cabelos, e corpo. “Tudo isso era para ela ficar belíssima para o seu rei”, enfatizou.

Segundo ela, tanto as mulheres como os homens evangélicos se cuidam mais do que há oito anos atrás. A esteticista estima que, no ano 2000, apenas um cristão cuidava da aparência a cada 100 pessoa; enquanto hoje, o número está a um por um. “Os cristãos precisam e devem cuidar da aparência tanto física quanto visual”, opinou. Porém, antes do cuidado externo é preciso tratar do interno, do coração, “Precisamos saber amar, perdoar e entender que Deus é que está no comando de nossas vidas”, ressaltou a empresária.

*É preciso ter cuidado*

Na Bíblia, o tema é bastante citado em Eclesiastes, no Antigo Testamento. Segundo a Palavra, todos os empreendimentos humanos na terra não têm sentido nem propósito, quando realizados fora da vontade de Deus. O Livro também salienta que o homem não deve depositar as esperanças dele num mundo totalmente distante do Senhor. Para o pastor Manuel de Oliveira Queiroz Junior, 34, a vontade de se sentir bem esteticamente, até certo ponto, não é pecado.

Segundo o ministro, quando uma pessoa se preocupa com a aparência, não está errada, desde que todos esses cuidados não sejam para a própria exaltação e se torne idolatria ao próprio corpo. “Nós somos o templo do Espírito Santo e temos que zelar pelo nosso corpo, sem que isso saia do foco do que Deus espera de nós”, afirmou. “Toda a glória deve ser dada somente ao Senhor e tudo em mim deve ser para glorificá-Lo”, completou, com a letra de um louvor bem conhecido: “Eu não preciso ser reconhecido por ninguém”.

9 de setembro de 2008

*Som que rasga os céus*


Quando se fala em trombeta, a primeira imagem que vêm à mente dos cristãos é da queda das muralhas de Jericó, quando o povo de Israel deu sete voltas ao redor da cidade antes de tocar o instrumento, sob ordem de Deus. Feito de chifre de carneiro ou de yemenita (antílope) é chamado de shofar, do hebraico “shôphâr”. “É o primeiro instrumento registrado na Bíblia; feito somente dos chifres desses animais, porque são considerados puros/ separados”, disse o pastor do Ministério Internacional da Restauração (MIR), Gilmar Nascimento.

No Antigo Testamento, era usado para anunciar diferentes situações, como chamar o povo para o culto; convocar o exército para guerrear; anunciar a voz de Deus; ou proclamar que um rei ou pessoa importante estava entrando em determinado local. Para os judeus, a principal função dos sons do chifre é alertar sobre a chegada do dia do julgamento; “inspirar a alma e provocar vibrações extraordinárias no coração, ativando o sentimento do arrependimento e da humildade”.

Com diversas formas e tamanhos, o shofar atualmente é utilizado em algumas denominações evangélicas para os momentos de adoração e para lembrar do sacrifício de Jesus no Calvário. “Biblicamente também representa chamar o povo à adoração”, afirmou o ministro. Por outro lado, há muitos crentes que criticam ou rejeitam o uso do shofar dentro dos templos, com o pretexto de que é um objeto do judaísmo. “É um instrumento da cultura judaica, mas sem o judaísmo não existiria o cristianismo”, enfatizou Nascimento.

Segundo o criador do site ShofarProfético.Com, pastor Rafael Dias, apesar de ter sido muito utilizado pelos hebreus sob o comando do próprio Senhor, muitos cristãos ainda desconhecem o som do instrumento e a influência dele no Reino Espiritual. “Os mais tradicionais criticam, mas porque não conhecem”, disse. Para ele, o medo do desconhecido pode ser a principal causa da rejeição. “Apenas 30% da Igreja já viu um e, realmente, conhece o siginificado dele”, ressaltou o ministro de São Paulo.

O principal motivo da criação da página na Internet, além de divulgar o instrumento, é resgatar os princípios da adoração, baseado em Atos 15:16 e 17: “Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; levantá-lo-ei das suas ruínas, e tornarei a edificá-lo. Para que o restante dos homens busque ao Senhor, E todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado, Diz o Senhor, que faz todas estas coisas”. “É uma arma de adoração dentro da Igreja”, afirmou Dias.

*Sem supertições*

Tanto o pastor de Manaus, como o de São Paulo; alertam para o mesmo princípio: o shofar não é um objeto sagrado; somente mais um instrumento criado por Deus para adoração. “Recebo muitos e-mails de pessoas que querem saber sobre o uso, achando que é sagrado; mas não fazemos misticismo; é um instrumento como qualquer outro”, afirmou Gilmar Nascimento. “O ato de a pessoa tocar é profético, mas quando está guardado é apenas um chifre”, ressaltou Rafael Dias.

Para ambos, a falta de conhecimento pode gerar preconceitos como também criar uma idéia errada sobre o shofar na mente das pessoas. “Em algumas igrejas que vou ministrar as pessoas dizem “tira esse berrante daqui”, porque não sabem com o que é e ficam receosas”, disse o paulista. Já Nascimento faz questão de ressaltar que todos os instrumentos musicais podem ser proféticos. “Não é o uso do shofar; o importante é ser um canal de Deus para o que Ele está movendo na hora; com consagração e santidade”, enfatizou.

*Toques e Significados*

Tekiáh – longo / curto: Usado para festas e para adoração; também dá uma mensagem que relata o ensino bíblico da separação entre o homem e o Criador.

Shevarim – 3 toques Tekiáh: Usado para anunciar a entrada de um rei e para levar o povo ao arrependimento e à santidade; Também expressa a alegria interior em meio às aflições do mundo, com a certeza de que, finalmente, o reino dos céus será implantado em toda a Terra. Toda vez que o Shevarim é tocado é reafirmada a fé no retorno do Messias.

Teruah – 1 Tekiáh seguido de 9 Stacato (toques breves): Usado para a guerra e para chamar o povo ao arrependimento e à tristeza pelos pecados cometidos.

Tekiáh Gedolahl – 1 Tekiáh longo (O Grande Toque): Usado para anunciar o juízo de Deus e simbolizar também a alegria, pois o Senhor perdoou os pecados do povo e, por isso, o homem se tornou livre para adorá-lo.
*Saiba mais*
Para mais informações sobre o shofar clique aqui; ou entre em contato pelo e-mail do ministro paulista e de contato. Na página o usuário também pode adquirir um dos seis tipos disponíveis do instrumento.

Imagem: Shofar Profético

17 de agosto de 2008

*Piratas do Reino*



“Ai daquele que edifica a sua casa com iniqüidade, e os seus aposentos com injustiça; que se serve do trabalho do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário” (Jeremias 22:13). Você já leu este versículo? Ele está impresso no encarte de alguns CDs, como do Ministério Toque no Altar, do Rio de Janeiro, e mostra uma triste realidade que têm crescido no meio do povo cristão: a pirataria. Para grande maioria, livros, CDs e DVDs são importantes no crescimento espiritual da Igreja, como instrumento de divulgação da Palavra de Deus, seja para evangelizar ou para edificar aqueles que já conhecem Jesus. Porém, muitos caem no erro de pensar que dar uma cópia daquele “CD maravilhoso” é “abençoar o irmão”.

É comum ver inúmeros camelôs com exposição de todos os tipos de materiais falsificados no Centro de Manaus. Ao andar pela Praça do Relógio e pela Avenida Sete de Setembro, por exemplo, até parece que estamos dentro de um culto. A cada barraca pode-se “esbarrar” com Ana Paula Valadão, do Diante do Trono; Cassiane; Aline Barros; e até com o pastor Silas Malafaia. “Sempre venho ao Centro e fico impressionada com a variedade de CDs e DVDs falsos; se há tanta gente especializada em vender somente para evangélicos, isso mostra que não faltam compradores”, opinou a universitária Clícia da Costa, 22. “Como alguém que se diz filho de Deus consegue aceitar isso?”, questionou.

Diante da euforia de muitos crentes em propagar o Reino de Deus de maneira equivocada, o Ministério Casa de Davi, faz questão de ministrar sobre a “pirataria gospel” em todos os congressos que realiza pelo Brasil. “Numa das viagens, um rapaz chegou para mim todo feliz, dizendo que gostava tanto do nosso trabalho, que comprou o CD e fez cópia para todos os amigos da igreja dele”, disse o integrante do grupo do Paraná, Davi Silva. O ministro, inclusive, pede aos participantes que levem todo o material copiado para ser queimado no último dia do evento. “Não adianta usar a desculpa de querer apenas abençoar alguém”, afirmou ele. “É melhor comprar o original e abençoar o irmão e o ministério”, completou Silva.

Não somente os louvores, mas também livros de pregadores mundialmente conhecidos e apostilas vendidas exclusivamente para estudos em seminários costumam ser xerocados e distribuídos dentro dos próprios templos. “Conheço muitos líderes que fazem isso para presentear seus discípulos”, disse o presbítero José Oliveira, 53. “Além de pecarem, eles estão dando um péssimo exemplo”, enfatizou. A esposa dele, Ana Maria, 51, já chamou a atenção dos próprios filhos para o problema. “A maioria dos jovens tem esse negócio de pegar tudo na Internet; devemos ensiná-los que isso é pecado, porque é a mesa coisa que comprar de um camelô e roubar o trabalho de outro irmão”, opinou.

*Fidelidade ao original*

Apesar do crescimento visível do mercado ilegal de CDs, a gerente da loja Disco Laser, da Rua Barroso, Centro de Manaus, Tayana Karen, garante que a venda para evangélicos já representa 90% da arrecadação mensal do empreendimento. “Os crentes priorizam o original, porque sabem que é proibido nos mandamentos de Deus”, afirmou. Conforme ela, no setor chamado de “secular”, a queda causada pela pirataria dá mais prejuízos do que no gospel. “Ainda têm alguns que preferem gastar menos para terem apenas certo louvor”, disse Karen. “Se não houvesse CDs piratas, creio que venderia muito mais”, opinou a gerente.

* Lei dos Homens x Lei de Deus*

Segundo a Lei dos homens a pirataria é crime previsto na Lei nº. 9610 de 19 de fevereiro de 1998, do Código Civil; e no Artigo 184, parágrafos 1º e 2º, do Código Penal Brasileiro: Violar direitos de autor e os que lhe são conexos: pena de três meses a um ano, ou multa. Se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, (...) pena de dois a quatro anos, e multa.

Já na Bíblia, apesar de a palavra “pirataria” não aparecer explicitamente em nenhum dos livros do Antigo ou do Novo Testamento, não faltam versículos que enfatizem o valor do trabalho e que o próprio Senhor dos Exércitos se levanta para julgar quem defrauda o trabalhador. Confira alguns versículos:

Mateus 10:10b - “Digno é o trabalhador do seu salário”
Jeremias 22:13 - "Ai daquele que edifica a sua casa com iniqüidade, e os seus aposentos com injustiça; que se serve do trabalho do seu próximo sem remunerá-lo, e não lhe dá o salário";
Malaquias 3:5 - "E chegar-me-ei a vós para juízo; e serei uma testemunha veloz contra os que defraudam o trabalhador em seu salário, diz o Senhor dos exércitos".

*A Pirataria em Números*

Segundo o Relatório de Pirataria Comercial de 2005 da indústria fonográfica, publicado pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), um em cada três discos musicais vendidos no mundo é pirata, um mercado que alcança US$ 4,6 bilhões. Em 2004 foram vendidos 1,2 bilhões de discos fonográficos piratas – o que representa 34% de todos os discos vendidos no mundo. Com uma taxa de pirataria de 52% (dados de 2003), apesar de uma recuperação parcial do mercado brasileiro em 2004, as vendas de unidades piratas superam as de vendas legítimas.

Em 2006, pela primeira vez a Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD) também apresentou uma pesquisa de mercado sobre o universo musical na Internet. O estudo constatou que 8,2% da população pesquisada – cerca de 2,9 milhões de pessoas – baixaram música na rede mundial de computadores em 2005. Isso contabiliza quase 1,1 bilhão de canções baixadas. Os prejuízos desse mercado ilegal se refletem na redução das oportunidades de trabalho. Nos últimos anos, as gravadoras reduziram em cerca de 30% o número de funcionários e cerca de duas mil lojas de discos foram fechadas.

* Os efeitos da pirataria no setor fonográfico (1997 a 2005) *

Postos de trabalho diretos: -50%.
Número de pontos de vendas fechados: 3500.
Lançamentos de produtos nacionais: - 44%.
Número de empregos perdidos no setor: 80 Mil (gravadoras, fabricantes, comércio...)
Estimativa de perda de arrecadação em impostos: R$ 500 milhões anuais (considera ICMS, PIS e Cofins).

Fonte: Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD)

29 de julho de 2008

*Missões: um clamor do coração de Deus*


Inspirada nas meninas da Índia, a dica desta semana é um CD para quem tem o desejo de levar a Palavra de Deus aos povos não alcançados e inspirar àqueles que ainda nunca pensaram em missões. Na voz de Fernanda Brum, o adorador poderá interceder pelos continentes e pela nação brasileira, sendo levado a uma intimidade mais profunda com o Espírito Santo. O Senhor convida os filhos dele a se levantarem para implantar o Reino dos Céus em cada canto da Terra. Ouça o chamado do Pai, feche a porta e mergulhe no coração Dele, que bate num só ritmo: “almas... vidas... almas”.

Ministro (a): Fernanda Brum
CD: Profetizando as Nações
Louvor: Eu Vou (África)


Alguém da Ásia me disse: "Vem me ajudar"
Posso ouvir a África pedir por socorro
Ruanda, Somália, Nigéria clamando por um pouco de amor
Vou fazer tudo que eu posso fazer Eu vou...
Tenho muito pra dar Eu vou...
O evangelho pregar
Como ouvirão se não há quem pregue?
Como pregar se ninguém se dispõe a ir?
Como crerão Naquele de quem nada ouviram?
Eis-me aqui... Eu vou...
Eis-me aqui... Senhor...
Eis-me aqui... Eu vou...
Vi um menino na Rússia olhar para o céu
El Salvador tá chorando por salvação Romênia, Arábia Saudita, o Iraque esperam por nós
Colômbia, Indonésia, Albânia, pra China eu vou
Pelo chão do Brasil... Eu vou...
Deus me quer pras nações...

27 de julho de 2008

*Meninas dos Olhos de Deus*

Quem olha para uma menina de apenas seis anos pensa logo na pureza e na ingenuidade do coração de uma criança. Porém, o que muitos não imaginam é que cerca de 12 mil delas são vendidas pelas próprias famílias, todos os anos, para serem escravas da prostituição na Índia. “Elas chegam a ter relações com 25 homens num dia, pelo valor de um dólar por programa”, informou o presidente da Missão Cristã do Mundial (MCM), o médico José Rodrigues. Ele é o idealizador do projeto “Meninas dos Olhos de Deus”, que trabalha para resgatar as pequenas prostituas indianas do Nepal. “Nossa meta é alcançar três mil meninas até 2010”, afirmou.
A situação já é vista com naturalidade pela população daquele país, que até disponibilizou um caminhão de lixo para coletar os corpos das crianças que não resistem aos maus tratos e subnutrição as quais são sujeitadas diariamente. Enquanto animais como vacas, ratos e baratas são vistos como sagrados e tratados como deuses, as meninas são jogadas nas ruas da cidade por serem “indignas” de serem cremadas conforme a religião hindu. Segundo os missionários, quando algumas delas, com 12 anos, engravidam, são obrigadas a abortar e voltar ao trabalho no mesmo dia.
*O projeto é de Deus, o trabalho é do homem*

Após quase sete anos de trabalho, cerca de 80 meninas de diferentes faixas etárias já passaram pela primeira casa de apoio. Hoje, 39 são atendidas nela, outras 20 moram na casa dois do programa e mais 19 na casa três. Em agosto, a MCM abriu um local somente para meninos, que já abriga seis crianças. Todos têm assistência médico/ dentária; estudam em escolas particulares; cursos profissionalizantes (culinária, computação, corte e costura, higiene e limpeza, e aulas particulares de inglês (segunda língua do Nepal);
Além da oportunidade os pequenos indianos se alimentam no padrão da classe média alta do Nepal e têm camas individuais, roupas e brinquedos. “Elas chegam com feridas no corpo e principalmente, na alma, causadas pelo abuso sexual, rejeição e preconceito, sem sonhos nem esperança”, declarou o pastor Rodrigues. “No dia-a-dia, vão sendo ministradas; começam a sorrir; dançar; cantar; e conhecer o Senhor, que direcionou e proveu todas as coisas para que elas fossem resgatadas”, disse ele.
Os quatro lares são mantidos pela ajuda de amigos no Brasil, Estados Unidos, Inglaterra e outras partes do mundo. Caso queira contribuir todos os meses, a pessoa pode depositar qualquer valor no Bradesco: agência 1633-0; conta corrente 19.400-0. Para mais informações sobre “Meninas dos Olhos de Deus”, testemunhos e outros trabalhos da MCM é só acessar o site.